Fela Kuti e a teia do afrobeat

Por Débora Alcântara

De Salvador e BH

Vai aí um post de um dos precursores do afrobeat: o nigeriano Fela Kuti, que criou uma música ousada como instrumento de ativismo político. No Trinity College of Music, em Londres, ele botou na mesma panela o jazz americano, o rock psicodélico e o highlife da África Ocidental. Fela preserva a percussão de estilo africano e introduz estruturas que passam por jazz e seções de metais funky, tendo como co-autor o também nigeriano e seu parceiro Tony Allen, dono dessas batidas atípicas. O “endless groove” também aparece nesse caldo. É uma verdadeira matriz de outras experiências musicais no mundo. Esses elementos do caldeirão de Fela Kuti, por exemplo, são alguns dos que vão ao prato de nossa afrolatinidade. A música de Fela também digeriu o movimento Black Power e os Panteras Negras. Depois disso, sua banda ganha a alcunha de Nigéria 70, cujos integrantes eram a população da República Kalakuta, uma comuna fundada por Fela e onde era instalado um estúdio de gravação, o espaço de suas experimentações. Mais tarde, o músico declarou ousadamente essa comuna como independente do Estado da Nigéria, o que nada agradou ao governo nigeriano. Em 1977 Fela lança o sucesso Zombie, uma crítica mordaz às forças armadas nigerianas. O álbum foi um sucesso fatal. Em conseqüência, o governo manda mil soldados ao ataque da República Kalakuta. Fela foi espancado e sua mãe arremessada de uma janela. A República Kalakuta foi incendiada e o estúdio, instrumentos e gravações originais de Fela destruídos. Então vai aos internautas “Zombie”, uma metáfora que faz uma referência a “zumbi”, ser manipulado, controlado. Quem quiser dar início a uma investigação sobre esse irreverente músico vale dar uma espiada nas respostas de Fela a esse ataque, além do envio do caixão de sua mãe ao quartel de Lagos: “Coffin for Head of State” eUnknown Soldier“. Deleitem-se com um bom balanço no esqueleto e com o “jogo espiritual underground” de Fela Kuti.

Anúncios

2 Respostas para “Fela Kuti e a teia do afrobeat

  1. Pingback: O guru vivo do afrobeat «

  2. Pingback: As cores do Afrobeat «

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: